terça-feira




“Um café em Paris nos anos 60, esta senhora está chocada com o tamanho da mini-saia desta bela moça loira, que tamanha lata que ela tem! Não tem vergonha?
A moça loira, na dela, há muito tempo que não acordava de manhã cedo para beber um café e ler o jornal! Andou distraída durante muito tempo, que se esquecia de fazer todas as coisas simples que existem na vida, incrível, pensa ela e é tão bom que já me tinha esquecido!
Mas facilmente perdemo-nos noutras coisas e voltamos a esquecer-nos destas pequenas coisas!
Julgo que a senhora mais velha acha tudo aquilo chocante, mas tem alguma inveja da mocidade e da diversão que a moça loira deve ter, e que a deve achar uma pervertida e drogada!
Estava aqui tão sossegada a ler o jornal, "ui" de repente vi uma notícia que me impressionou! Um antigo amigo meu tinha sido morto num bar no centro de Paris devido a uma bebedeira estúpida, começou a cantar aos altos berros, deram-lhe um enxerto, ele picou-se respondeu e foi por ai fora! Não acredito! Era uma pessoa 5 estrelas!
Lá se foi a manhã agradável que estava a começar a ter, tudo o que me rodeia começa a incomodar-me, desde a mulher que está ao meu lado a ler o jornal, desde o barulho que está à minha volta na rua, esquece o café que estava a saber tão bem, vou-me embora não aguento… queria estar um dia sóbria, sem a minha grande amiga, impossível, tudo desaparece à minha volta…”

1 opiniões:

às riscas disse...

O que e que eu estou aqui a fazer devia ir para casa dormir.
Na verdade nunca lhe digo aquilo que quero, que mania de me manter calada para nao magoar ninguem. Quando é ao contrario ele nao tem papas na lingua lança-me as palavras como facas de fogo e eu, ou o trespasso com um comentario sarcastico ou o fulmino com o olhar. Digo-lhe quase tudo mas falta o quase.
Que chatice nem me apetece ler nada, tou aqui a horas a tentar ler e abstrair-me e nada. Ja li esta primeira frase tantas vezes que ja esta borrada com as minhas lagrimas. Nem sei o que e que estou aqui a fazer devia levantar.me e dizer.lhe poucas e boas ou antes muitas e fortes. Mas nao quero aparecer neste estado, vou.me levantar e pedir um cha de camomila dizem que acalma. O que me acalma e nao me rasgarem a alma. Maldito seja.
Maldita velha cusca, nao tem mais nada que fazer, deve achar que nao reparei que esta a olhar para mim desde que cheguei. Leu tanto daquele jornal como eu do meu. Realmente quem nao tem nada com que se preocupar preocupa-se com isso.
Esta decidido vou comprar um carro e por-me a andar daqui. Mas antes vou para a cama com o melhor amigo dele e parto-lhe os farois do carro. Oh nem vale o esforco mas o amigo dele e bem giro.
Oh vou mas e arranjar um gato.
Raio da mulher nao se cansa. Que nervos. Vou-me embora... podia armar-me em histerica e chorar ate me pagarem a conta....
ai chega de filmes...vou para casa fumar uma e dormir, isto das noitadas tem de acabar...bolas nao tenho tabaco.